sábado, 13 de junho de 2015

Uma experiência em Lojas Colaborativas: tendência e oportunidade!




 
A convite da Romana Fresco da Word of Women, aceitei o desafio de escrever um artigo sobre a minha experiência pelo mundo das lojas colaborativas, explicando o que são, como operam, vantagens e desvantagens!
 
Segue o texto que escrevi e que já saiu no site....
 
"Foi em Vila Real de Santo António que vi pela primeira vez uma Loja Colaborativa.
Estávamos no final do Verão de 2013 e naquela altura mal se ouviam falar destas lojas pelo que comecei a investigar mais sobre o assunto.

Eu tinha iniciado um blog nesse mesmo ano, um spot virtual generalista onde falava também sobre algumas marcas artesanais de que gostava e comecei a criar uma base de dados de criadores e artesãos. Foram feitos estudos de mercado e focámo-nos em algumas lojas colaborativas chave com as quais nos identificávamos. Quer em conceito, quer em produtos seleccionados, quer em preços praticados. E para que percebam melhor sobre o que é uma loja colaborativa, não é mais que uma estrutura comercial que engloba vários espaços titulados de mini-lojas onde os criadores, por uma renda mensal, encontram uma oportunidade de terem um ponto de venda sem os custos inerentes a uma loja aberta ao público. Todos esses custos e burocracias competem ao lojista, bem como todo o trabalho comercial, de gestão e manutenção do espaço.
A renda mensal varia entre os 10€ e os 300€ por espaço, estando a média nos 25€ a 50€ - patamar onde nos encontrávamos.
As peças encaixavam-se e no início de 2014, fomos pioneiros neste conceito comercial em Santarém. Durante um ano inteiro, tivemos a loja física do Espaço M, onde trabalhámos com cerca de 40 parceiros, alguns dos quais se mantêm connosco com a loja virtual.

Iniciámos assumidamente como uma loja colaborativa onde os parceiros pagavam um espaço para terem os seus artigos à venda e, por altura do Natal já nos identificávamos mais como uma loja de autores. Um spot dedicado à moda artesanal com vestuário e acessórios maioritariamente manufacturados e um cantinho gourmet, com a maioria dos parceiros já em regime de consignação.
Neste momento continuamos com a loja de autores em regime de consignação, mas em formato online.
Posto isto, os meus caros leitores perguntam-se: Um ano? Que aconteceu? Porque mudaram?
E se alguns de vocês estão neste momento a equacionar abrir uma loja destas estarão com certeza a pensar: Será vantajoso? O que temos de fazer afinal?
Pois bem, eu respondo!
As vantagens deste tipo de loja refletem-se na diversidade de produtos que podemos ter à venda e, com a quantidade de criadores e artesãos que existem no mercado, temos sempre por onde nos "virar" para irmos ao encontro das exigências do consumidor final.
Estas lojas quando bem geridas de forma assertiva são um incentivo importante para que muitos dos nossos artistas encontrem a sua oportunidade de negócio, contribuindo também desta forma para a economia do país.
Quanto às desvantagens, saliento a questão legal.
Não existe legislação aplicável a este tipo de estabelecimento comercial!
Mas existe forma legal de trabalhar sim.
A questão da legalidade ainda é um tabu para muitos dos nossos artesãos pelas mais diversas razões.
Seja por puro desconhecimento, por receio e até por preguiça! A lei prevê a isenção de IVA se nunca exceder os 10000€ anuais, e a isenção da Segurança Social no primeiro ano de actividade.
Para nós foi um meio de selecção natural.

A forma correcta de trabalhar é deixar os artigos com a respectiva factura e decorrido o prazo estipulado por ambas as partes, os artigos não vendidos serão devolvidos mediante a entrega da respectiva nota de crédito.
Assim existem sempre provas da relação comercial. Até por uma questão de precaução para ambas as partes.
É óbvio que cabe a cada um escolher a forma de trabalhar que lhe seja mais conveniente, uma loja destas para ser viável tem de resultar em lucros.
Neste momento já existem muitas espalhadas pelo país, mas curiosamente as que nos serviram de inspiração no processo de abertura, já fecharam!
Quanto a nós, deixámos de nos identificar com esta tipologia de loja mas desejamos toda a Sorte para quem está a começar."
Marina Eleutério

Aconselho vivamente a leitura dos outros artigos escritos por quem sabe e verdadeiras fontes de inspiração e motivação!
 
Deixo também aqui o meu Agradecimento à Romana Fresco e à Marina Carriço Alves por serem Fantásticos Seres Humanos, Maravilhosas Mulheres ( com M grande ) e pela oportunidade que me apresentaram.

 
Um grande Bem - Haja a todos os meus Leitores ♥
 
 
Enviar um comentário